O azevinho (Ilex aquifolium L.) é uma árvore funcionalmente dióica, isto é, apesar das suas flores poderem apresentar órgãos masculinos e femininos, há plantas que se comportam como masculinas (a parte feminina fica rudimentar) e outras que desenvolvem as características femininas. Por isso, apenas estas últimas produzem os vistosos frutos vermelhos, sempre que há plantas macho por perto para as polinizar.

Dada a beleza da sua folhagem e frutificação, esta espécie, espontânea na Península Ibérica, foi colhida indiscriminadamente e empregue como ornamental durante a época natalícia. No nosso país, a colheita excessiva colocou-a em risco de extinção.

Atualmente é muito cultivada como ornamental estando disponíveis nos viveiristas variedades com folhagem de várias tonalidades.