Com certeza que já aconteceu à grande maioria das pessoas começar a chorar quando estava a cortar uma cebola. Isto é devido à quebra das células da cebola que libertam um líquido que vaporiza rapidamente, provocando uma sensação de ardor nos olhos e, consequentemente, o lacrimejar.

As células da cebola contêm enzimas chamadas alinases e também compostos de enxofre, denominados sulfuretos. No seu estado natural, estes dois compostos não se misturam, no entanto, quando cortamos as cebolas vão-se misturar.

As enzimas reagem, então, com os sulfuretos, produzindo um composto muito instável, o ácido sulfénico, que rapidamente se volatiliza num gás denominado sin-propanetial-S-óxido.

Este último composto é o vapor que se dissipa no ar e chega aos nossos olhos que, reagindo com a água, resulta em ácido sulfúrico, causando a irritação nos terminais nervosos dos sacos lacrimais. Estes, por sua vez, produzem as lágrimas que diluem o ácido e terminam com o ardor e, então, começamos a chorar.

Existem vários truques para minimizar a libertação do vapor, nomeadamente, técnicas de corte que afetam menos as células, a utilização de uma faca bem afiada também minimiza o efeito mas, os mais usuais são a refrigeração das cebolas antes da preparação dos cozinhados ou mesmo cortando-as debaixo de água.