A dimensão ambiental da educação

“Meio ambiente” e “Educação” têm sido dois conceitos que têm evoluído juntos desde a origem da humanidade. Desde muito cedo o Homem começou a interagir com o mundo que o rodeava, ensinando os seus filhos a fazer o mesmo. Os primatas, por exemplo, desenvolveram uma perceção dos sistemas naturais e um profundo respeito por eles, passando esse conhecimento e respeito de geração em geração. Inicialmente, a relação do Homem com o meio ambiente estava essencialmente ligada à questão da sobrevivência, uma relação que sustentava uma natureza mais poderosa do que os Homens.


Com a evolução da civilização esta posição mudou. A natureza começou a ocupar uma posição de subserviência em relação ao Homem. Passou a procurar conhecê-la para a dominar, explorar, e o seu estudo pretendia satisfazer a curiosidade das pessoas a respeito do seu mundo.


A consciência acerca da dimensão ambiental surge a partir do Renascimento, quando chegam à escola os novos ares de renovação educativa que propiciam a inclusão do “Meio Ambiente”, como estímulo educativo, como recurso, conteúdo ou via metodológica.


O desenvolvimento das sociedades atuais tem conduzido a uma degradação generalizada do ambiente e a uma utilização irracional dos recursos naturais. Este quadro negro levou a uma consciencialização crescente das populações em geral e, paralelamente, à tomada de decisões pelo poder político em prol da proteção e conservação do ambiente. A educação vem na sequência lógica deste processo, e surge da necessidade de adquirir conhecimentos, tendo em vista a proteção da natureza e, assim, a correção de erros passados e atuais.


Para que a mudança seja possível é necessário mudar o próprio Homem, e isso só se consegue através da educação. Tal como se assumiu no ponto 3 do capítulo 36 da Agenda 21, no Rio de Janeiro: “A Educação é decisiva para promover o desenvolvimento sustentável e para melhorar a capacidade das pessoas para responder às questões de ambiente e desenvolvimento”. Neste sentido, o desenvolvimento da Educação Ambiental no sistema educativo necessita de uma nova abordagem que favoreça a sua integração no currículo escolar para que as crianças e jovens, para além de adquirirem conhecimentos sobre o ambiente, mudem os valores, atitudes e comportamentos para adotarem um estilo de vida compatível com um desenvolvimento sustentável. Importa, sobretudo, que se capacitem e criem propostas que contemplem a interdependência entre o ambiental, o político, o económico, o local e o global.


Além disso, já não se trata apenas de consciencializar, mas sim de atuar, e somente a Educação Ambiental pode preparar os cidadãos para que assumam as suas responsabilidades, modifiquem os seus comportamentos e atuem a favor do ambiente.


Mas, ainda assim, num planeta finito, os limites da humanidade serão, apesar do engenho tecnológico, as leis da natureza.

Foto: Márcia Moreno (Direitos reservados)

Márcia Moreno (Centro Ciência Viva de Bragança) - 2012-08-28 11:22:19