Envelhecimento ativo com as tecnologias de informação

O envelhecimento demográfico, que se intensificará ao longo do século XXI, apresenta desafios para a sociedade, especialmente ao nível do crescimento económico e da sustentabilidade financeira. As políticas europeias destacam a importância de promover o envelhecimento ativo da população. Este passa pela participação dos adultos mais velhos na Sociedade da Informação e do Conhecimento, o que implica a necessidade de reforçar a melhoria das suas qualificações, nomeadamente no âmbito das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), e a participação na aprendizagem ao longo da vida.


A educação, a formação e os laços familiares são aspetos importantes tanto a nível individual como no âmbito da vida em sociedade. A globalização e as revoluções tecnológicas contemporâneas tornam premente que todos os cidadãos possuam competências digitais. No entanto, a maioria das pessoas mais velhas não adquiriu qualificações em TIC durante a sua educação e formação anteriores, sendo por isso um grupo que sofre um grande risco de exclusão dos benefícios da Sociedade da Informação. Estas pessoas, ao contrário dos nativos digitais, não nasceram num mundo digital, pelo que têm que se adaptar à sociedade tecnológica e adquirir novas aprendizagens para que estejam mais bem informados, tenham uma maior participação social e possam manter ou reforçar os laços familiares com as gerações mais novas (Geração Digital ou Geração NET), com quem a interação será cada vez mais suportada pela Internet e baseada em Tecnologias Web 2.0.


Portanto, é fundamental promover a aproximação dos mais velhos ao mundo digital através de iniciativas locais de aquisição de competências digitais e que vão ao encontro dos seus interesses e necessidades. E se essas iniciativas de aprendizagem, suportadas pelas TIC, envolverem também as gerações mais jovens, numa perspetiva de desenvolvimento e convivência intergeracional, estamos a reforçar a inclusão dos mais velhos na sociedade, a combater a solidão e a exclusão social e a promover o ambicionado envelhecimento ativo. Desde 2010, a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança tem vindo a dinamizar oficinas de formação TIC através do Projeto Tin@ (Tecnologias de Informação para Netos e Avós). Este projeto destina-se a pessoas maiores de 50 anos e a crianças entre os 6 e 12 anos, e visa promover a coesão familiar entre netos e avós, o envelhecimento ativo e as relações intergeracionais através de ferramentas de comunicação/interação Web.

Vitor Gonçalves e Maria Raquel Patrício (Instituto Politécnico de Bragança) - 2012-08-10 11:42:33