Construção do calendário gregoriano

Os calendários surgiram da necessidade do Homem se sincronizar com as estações, essencialmente por causa da agricultura e das dificuldades climáticas. Ao longo da história, o calendário sofreu várias tentativas de ajustamento ao ano solar (intervalo de tempo que a Terra demora a completar o movimento de translação), cuja duração é aproximadamente de 365,2422 dias, ou seja, 365 dias, 5 horas, 48 minutos, 46 segundos e 80 milionésimos de segundo.


A primeira tentativa séria de acertar o calendário foi encetada pelo Imperador romano Júlio César, por volta do ano 46 a.C. Por sugestão do astrónomo grego Sosígenes, a duração do ano solar foi fixada em 365,25 dias, tendo sido instituídos anos de 365 dias intercalados, a cada três anos, de um ano de 366 dias. Nasceu assim o calendário Juliano e com ele surgiram os chamados anos bissextos.


Durante séculos, este calendário acompanhou o ciclo solar de forma razoável, mas, com o passar do tempo, verificou-se nova assincronia. Medições do século XVI determinaram 365,2425 dias para a duração do ano solar. O erro de 0,0075 dias, à data, já se traduzia em 10 dias de atraso no calendário. Então, o papa Gregório XIII propôs o avanço de 10 dias no calendário e uma nova regra para o cálculo dos anos bissextos. Estes ocorreriam de quatro em quatro anos, exceto nos anos de fim de século que não fossem divisíveis por 400. Assim, surgiu o calendário Gregoriano, promulgado pelo papa Gregório XIII a 24 de fevereiro de 1582, que Portugal adotou desde cedo.


O calendário Gregoriano tem na sua génese a aritmética de base 7. A organização das semanas em 7 dias permite identificar os dias, de acordo com a seguinte tabela 1.


Esta aritmética, aplicada aos meses e aos anos, determina padrões de repetição para os mesmos, de acordo com as Tabelas 2 e 3.


Determinamos o dia da semana de uma data, aplicando à soma dia +código do mês + código do ano a aritmética de base 7, isto é, retirando os múltiplos de 7 à soma obtida.


Por exemplo, o dia de Natal em 2020 tem código 5, já que 25+4+4=33 e 33=7×4+5. A Tabela 1 informa-nos que em 2020 a ceia de Natal será a uma quinta-feira.
O valor atualmente conhecido para a duração do ano solar (365,2422 dias) faz-nos antever novos acertos do calendário, ainda que num futuro muito longínquo. O seu desvio de cerca de 0,0003 dias face ao valor estabelecido pelo papa Gregório XIII, traduzir-se-á em sensivelmente 3 dias de atraso daqui 10 mil anos.

Tabela 1: Código dos dias da semana

Tabela 2: Código dos meses do ano ; Tabela 3: Código dos anos compreendidos entre 2005 e 2030

Ilda Reis, Edite Cordeiro (Instituto Politécnico de Bragança) - 2013-01-22 11:57:05