Observa-se a subida e a descida das águas do oceano devido, essencialmente, a motivos astronómicos, ou seja, à presença de outros corpos no sistema solar. A força gravitacional que é exercida na Terra depende de dois fatores, nomeadamente, a distância ao nosso planeta e a massa do corpo. A Lua, pela sua proximidade, é o astro que exerce a força dominante. O Sol tem mais massa mas está bastante mais distante, logo, exerce uma força gravitacional com uma magnitude que é menos de metade da lunar.

Todos os corpos do nosso sistema solar exercem forças gravitacionais sobre a Terra, mas estas são muitíssimo menores do que a lunar e a solar. Os seus efeitos são por isso desprezáveis.

Quem estiver junto à costa num local em que a lua esteja exatamente sobre a sua cabeça ou na direção exatamente contrária (nos antípodas), observa uma maré cheia. Há aproximadamente duas marés cheias por dia terrestre.

A amplitude das marés depende também das posições relativas do Sol e da Lua. Quando estes dois astros estão alinhados ocorrem marés vivas. Há também a considerar fatores não astronómicos, de ordem meteorológica, como a força de pressão atmosférica, os ventos ou a agitação do mar.

Esta é uma explicação simplificada que contém apenas os fatores mais importantes que intervêm nas marés. Na referência seguinte é dada uma descrição mais completa e necessariamente mais complexa de todos os fatores envolvidos: http://www.hidrografico.pt/glossario-cientifico-mares.php