Os anéis são formados pelo tecido de crescimento, designado por câmbio, responsável pelo crescimento em diâmetro do tronco. Como o crescimento vegetativo, em árvores que crescem em regiões de clima temperado, tem uma paragem no período invernal, podemos mais facilmente distinguir os anéis formados. Cada anel anual possui uma camada de Primavera e uma camada de Outono. Contudo em algumas folhosas (Angiospérmicas) a distinção dos anéis é praticamente impossível pelo facto de possuírem porosidade difusa, ou seja, o tamanho dos vasos condutores da seiva é idêntico no lenho de primavera e no lenho de outono o que não permite diferenciar a camada de crescimento.

Podemos determinar a idade de uma árvore de várias formas, por exemplo: através do seu abate rente ao chão, contando no cepo os anéis de crescimento (parte mais clara ou mais escura do anel de crescimento); ou sem proceder ao seu abate, extraindo um rolo de lenho a uma altura de 1,30 m do solo, utilizando para tal uma verruma de Pressler. Posteriormente no rolo extraído é feita a contagem dos anéis de crescimento, e, desta forma, obtemos a idade da árvore quando acrescentarmos os anos que demorou a atingir a altura de 1,30 m.