A areia que se acumula ao longo das imensas extensões da costa marítima tem origens muito diversas. A maioria, porém, é o resultado do arrastamento dos fragmentos de rochas desgastadas pela erosão, nas regiões continentais, e que são transportadas pelos rios até ao mar. Estas partículas de limo e argila, de dimensões muito reduzidas, tendem a permanecer em suspensão e são arrastadas para o mar alto e mais profundo. No entanto, os grãos de areia de maiores dimensões (e mais pesados) são depositados perto da costa, onde as ondas e as marés os distribuem ao longo da orla marítima. No entanto, há outras origens, como por exemplo a areia que foi arrastada de depósitos glaciários continentais, ou areia que se formou localmente nos pontos em que as rochas das falésias à beira-mar foram sendo desgastadas pela erosão das ondas e do vento. Há ainda, nas zonas tropicais, conchas pulverizadas na composição da areia, resultado dos fragmentos de coral dos recifes existentes ao largo da costa que surgiram devido à incessante ação das ondas. De realçar que estes processos demoram milhares de anos a acontecer.