A toda a hora, por processos naturais, o nosso corpo produz radicais livres. Os radicais livres são moléculas instáveis que “sequestram” eletrões a moléculas das nossas células. O excesso de produção de radicais livres pode advir do “stress oxidativo” provocado pelo tabagismo, radiação, poluição ambiental e até excesso de exercício físico. Para combater os danos dos radicais livres o nosso organismo depende dos antioxidantes endógenos, que existem naturalmente no nosso corpo. Enzimas, como a glutationa peroxidase, a catalase e a superóxido dismutase, são antioxidantes endógenos. A vitamina A, o ácido úrico a co-enzima Q10 e a glutationa são também exemplos de outros antioxidantes endógenos não enzimáticos. As nossas defesas antioxidantes não são 100% eficazes contra os radicais livres, daí que precisamos de obter mais antioxidantes através da alimentação. Exemplos desses antioxidantes são os flavonoides, ácidos fenólicos, carotenoides, vitaminas e alguns minerais. Os alimentos mais ricos em antioxidantes são as frutas e os legumes, pelo que o seu consumo deve ser regular para evitar doenças provenientes do stress oxidativo.