Nem toda a foz de um rio que desagua no mar está associada a um estuário. No estuário existe um corpo de água semifechado, em contacto direto com a água do mar, levando a que exista uma mistura da água salgada do mar com a água doce do rio. Dessa mistura resulta a água salobra, pelo que a salinidade dessa água, como é de esperar, aumenta no sentido do rio para o mar. O grau de salinidade permite dividi-lo em diferentes zonas.

Existe uma série de variáveis ambientais dentro dos estuários, responsáveis pela gradação do rio para o mar, como por exemplo, a composição dos sedimentos.

Já alguém apelidou os estuários de “berçários da biodiversidade”, dada a riqueza florística e faunística existente nestas zonas de transição, sujeitas à ação das marés, que albergam uma grande quantidade de nutrientes.

Sabia que o estuário do Tejo é o maior da Europa Ocidental?