Medicamentos mais eficazes e mais seguros

Com o aumento da esperança de vida, as vendas de medicamentos prescritos para o tratamento de situações relacionadas com o aparelho locomotor ou cardiovascular aumentaram de tal forma que constituem atualmente o grupo de fármacos mais vendidos em todo o mundo, juntamente com os medicamentos para o cancro, o colesterol e a diabetes.

Contudo, as ações antipiréticas, analgésicas e anti-inflamatórias de fármacos, como os anti-inflamatórios não esteróides, estão muitas vezes associadas a efeitos secundários indesejáveis.


As reações adversas destes fármacos são normalmente justificadas pelo próprio efeito terapêutico, que consiste na inibição da síntese das prostaglandinas. Estas hormonas são as principais responsáveis pelo processo inflamatório, provocando simultaneamente o aumento da pressão sanguínea e consequentes complicações cardiovasculares, gastrointestinais e renais. Existem inúmeros estudos que referem que os efeitos secundários apresentados por estes fármacos se devem também ao facto de serem comercializados, na sua maioria, na forma de uma mistura a 50% de dois compostos químicos, que se designam por isómeros óticos ou “enantiómeros”.

Estes dois compostos possuem exatamente a mesma fórmula química e as mesmas propriedades físico-químicas, mas interagem de uma forma diferente com o corpo humano. Deste modo, quando se toma, por exemplo, um grama de um anti-inflamatório, apenas 500 mg se referem ao princípio ativo pretendido, mas os restantes 500 mg poderão ser inócuos ou então nocivos para o organismo, já que geralmente seguem caminhos farmacológicos distintos.


As grandes empresas da indústria farmacêutica já estão mais consciencializadas para a comercialização de medicamentos mais seguros. Esta indústria utiliza tradicionalmente processos de síntese orgânica direcionados para a produção de apenas um dos enantiómeros, mas, geralmente, o processo requer vários meses.


Uma forma inovadora de separar misturas de enantiómeros consiste em utilizar processos de separação avançados, como um sistema de cromatografia líquida de leito móvel simulado, semelhante ao apresentado na figura 2. Esta técnica pode ser desenvolvida para cada fármaco em menos de um mês, permitindo, à indústria farmacêutica, dispor rapidamente dos compostos separados de forma a realizar os estudos necessários de eficácia terapêutica e segurança médica antes de colocar um novo princípio ativo no mercado.

Exemplos de fármacos

Detalhe de uma instalação de leito móvel simulado

António Ribeiro, Luís Pais (Instituto Politécnico de Bragança) - 2013-04-17 15:51:28