A diabetes caracteriza-se por provocar o aparecimento de altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) e é causada pela deficiência na produção da hormona insulina no pâncreas, hormona essa que permite que o açúcar entre dentro das células.

No entanto, existem dois tipos de diabetes: a do tipo 1, conhecida como insulino-dependente, e a do tipo 2, não-insulino-dependente.

A diabetes do tipo 1 resulta de uma reação auto-imune, ou seja, as células do sistema imunitário, por várias razões, algumas delas ainda desconhecidas, agridem as células do pâncreas produtoras de insulina, destruindo-as, resultando na diminuição ou mesmo na cessação da produção de insulina. Desta forma, o tipo de alimentação, o estilo de vida, etc., podem não estar diretamente relacionados com o aparecimento deste tipo de diabetes.

As pessoas com diabetes do tipo 1 necessitam de injeções diárias de insulina, para controlar a doença que, na maioria dos casos, se inicia na infância ou na adolescência. Esta é a única forma do organismo ter acesso a esta hormona e, assim, desempenhar as suas funções.

Este tipo de diabetes pode conduzir ao estado de coma, provocado por variações bruscas dos níveis de glicose no sangue (hiperglicemia ou hipoglicemia).

A diabetes do tipo 2, que atinge entre 80% a 90% dos diabéticos, ocorre, na grande maioria dos casos, na idade adulta, incluindo os idosos. Neste tipo de diabetes a produção de insulina pelo pâncreas pode ser normal ou diminuída, contudo, os tecidos do corpo tornam-se resistentes à ação desta hormona, impedindo a absorção da glicose pelo organismo e elevando, desta forma, a taxa de açúcar na corrente sanguínea. Neste tipo de diabetes o indivíduo inicialmente não depende da injeção de doses de insulina, tal como acontece na diabetes do tipo 1, apesar de mais tarde poder vir a depender.

São exemplos de sintomas da diabetes diabetes: vontade de urinar diversas vezes durante o dia e durante a noite; fome frequente; sede constante; perda de peso; fadiga; mudanças de humor; náuseas e vómitos, infeções frequentes; alteração visual (visão baça); dificuldade na cicatrização de feridas; formigueiro e impotência sexual.