Prevenindo o Tétano. Será que estou vacinado?

Desde a antiguidade que são referenciados casos de tétano nas populações.


O tétano é uma doença infeciosa que não se transmite de pessoa para pessoa. Apesar de no nosso país não constituir um grave problema de saúde pública, a verdade é que há casos de doença e só está protegido quem estiver vacinado.
Como todas as doenças infeciosas, o tétano tem uma etiologia- uma causa. O agente causal que provoca esta doença chama-se Clostridium Tetani. Este micro-organismo tem a capacidade de produzir esporos que lhe permitem sobreviver no meio ambiente por vários anos. As toxinas que liberta atingem o sistema nervoso central, causando alterações funcionais com aumento da excitabilidade e um descontrolo dos músculos voluntários que, numa fase inicial, começa pelos músculos da face e pescoço, generalizando-se por todo o corpo.


As causas mais frequentes do aparecimento desta doença são as feridas, superficiais ou profundas, de qualquer natureza - queimaduras, picadas, corpos estranhos, que possam ficar aquando de vários ferimentos, e até mesmo feridas cirúrgicas. Daqui decorre que não apenas pregos e material enferrujado possam provocar a doença, pois a bactéria do tétano pode ser encontrada nos mais diversos ambientes.


O tétano pode prevenir-se através do tratamento adequado das feridas e da respetiva vacinação. A vacina do tétano existe desde 1927 e a pessoa adulta para estar protegida necessita de três doses iniciais com um reforço de dez em dez anos.


Conforme o tipo de ferimento, os indivíduos que não cumpram as condições acima referidas devem ser vacinados com uma dose de vacina contra esta doença.
De acordo com a Direção Geral de Saúde pretende-se que para além das crianças, todos os adultos e idosos estejam corretamente vacinados, pois, as vacinas permitem salvar mais vidas e prevenir mais casos de doença do que qualquer tratamento médico.


Às grávidas, também se recomenda atualizarem o seu estado vacinal, como forma de prevenir o tétano neonatal e do puérperio, ou seja para prevenir a doença às crianças nos primeiros 28 dias e à mulher após o parto. O tétano neonatal pode surgir da contaminação do cordão umbilical logo após o nascimento. Neste caso, o sistema nervoso é afetado, provocando dores intensas, para além de fazer com que a criança tenha contrações, chore bastante e sinta dificuldade para mamar.


Tendo presente que o Plano Nacional de Vacinação é um programa universal e gratuito e que a sua principal característica é a acessibilidade a qualquer cidadão, é importante que todos e cada um de nós zele pela sua saúde e aproveite os momentos em que recorre ao seu enfermeiro e/ou médico de família para atualizar o seu estado vacinal.

Celeste Antão, Adília Fernandes e Carlos Magalhães (Instituto Politécnico de Bragança) - 2013-05-29 10:56:00