O cancro é a proliferação anormal de células que sofreram uma diferenciação atípica. Normalmente as células crescem e dividem-se para formar novas células. Assim, no seu ciclo de vida, as células envelhecem, morrem e são substituídas por outras. Este processo ocorre todos os dias no nosso organismo em milhões de células em simultâneo.

Algumas vezes, durante este processo controlado, ocorrem erros que levam à transformação de “células normais” em “células anormais”. Contrariamente às células normais, estas últimas não possuem um ciclo de vida controlado e crescem desordenadamente, podendo ter uma ação invasora sobre as células que as rodeiam.

Uma das características das células cancerosas é o facto destas estarem constantemente a dividir-se parecendo ter o seu “relógio biológico” bloqueado sempre na mesma etapa do seu ciclo de vida, ou seja: “divisão”. Acontece que, nestes casos, acabam por se formar células novas, sem que o organismo necessite e, ao mesmo tempo, as células velhas não morrem, pois permanecem constantemente em divisão.

O aglomerado de células que resulta desta divisão desenfreada chama-se tumor.