Os antibióticos são os fármacos do século XX. Desde a década de 40 que os investigadores descobriram vários tipos de antibióticos mais potentes para tratamento de várias infeções, desde as comuns otites até às mais complicadas doenças tropicais. Mas, infelizmente, a sua utilização nem sempre tem sido a mais adequada. De acordo com o United States Center for Disease Control, os antibióticos são incorretamente utilizados em 50% das situações. Muitas destas superbactérias surgiram devido ao uso de antibióticos de forma indiscriminada ou sem prescrição e acompanhamento de um médico. Quantos mais antibióticos forem consumidos, tanto pelos seres humanos como pelos animais, mais depressa as bactérias evoluem tornando-se mais fortes, de tal forma que os antibióticos deixam de surtir qualquer efeito sobre elas. Esta resistência aos antibióticos está a transformar-se numa das mais sérias ameaças à saúde pública. As superbactérias, ou seja, as bactérias imunes ao tradicional tratamento com antibióticos têm aumentado. Os hospitais são os locais mais comuns onde estas superbactérias se desenvolvem e alastram.

A melhor forma de combater as superbactérias passa pela redução do consumo de antibióticos, incluindo na agricultura e na pecuária, pela sua utilização no período e na dosagem prescrita pelo médico e pelo melhoramento das condições higiénicas e sanitárias nas organizações de saúde.