Brincar com polímeros: Um príncipe inchado!

Que os polímeros fazem parte do nosso dia a dia é inquestionável! São inúmeras as aplicações dos polímeros que facilitam a nossa vida quotidiana: vestuário, calçado, material informático, recipientes antiaderentes e muitos outros objetos. Que seria da nossa vida sem polímeros? Certamente menos confortável e com menos acesso a várias aplicações tecnológicas, que atualmente nos parecem indispensáveis!


Os polímeros são materiais muito interessantes, podendo apresentar propriedades muito curiosas. Uma delas é a capacidade para absorver grandes quantidades de líquidos, como por exemplo, a água. Esses materiais são chamados de superabsorventes e apresentam a capacidade de absorver líquidos até 600 vezes o seu peso. São estes os materiais utilizados no fabrico de fraldas e outros materiais de higiene pessoal.


Ora esta propriedade de inchar pode também ser aproveitada para nos divertir! E foi desta forma que surgiram os brinquedos baseados em polímeros superabsorventes. Desde sapos, dinossauros até super-heróis que aumentam várias vezes o seu tamanho, há de tudo um pouco.


Como funcionam estes materiais? Os polímeros superabsorventes são estruturalmente uma espécie de rede tridimensional onde o líquido entra mas não dissolve o polímero. Se tivermos uma rede com uma malha larga (reticulação baixa), o material apresentará capacidade de absorver uma grande quantidade de líquido e, por isso, sofrerá uma alteração de volume elevada. Se por outro lado tiver uma malha estreita (reticulação elevada), a quantidade de líquido incorporada é menor e a modificação de volume inferior.


São nestes detalhes que se pensa quando se desenha um material por medida. Por exemplo, o material superabsorvente utilizado nas fraldas é constituído por partículas que no seu interior possuem uma reticulação baixa, de forma a apresentarem uma capacidade de absorção elevada, e no exterior uma reticulação elevada, de forma a evitar a saída fácil do líquido absorvido. Bem pensado!
E voltando à parte divertida. Vejamos o que acontece ao nosso príncipe sapo quando introduzido numa tina de água.

Vai absorvendo água e aumentando de volume. E assim ficamos com um príncipe inchado à procura da sua princesa! Uma vez retirado da água e deixado a secar vai perdendo o líquido e diminuindo de volume. Pobre sapo!

Brinquedo “O Príncipe sapo”.

Experiência com o brinquedo feito de material superabsorvente.

Filomena Barreiro (Instituto Politécnico de Bragança) - 2013-03-19 15:41:48