O papel de alumínio que utilizamos regularmente para cozinhar alimentos no forno é, na verdade, uma folha extremamente fina de alumínio, com uma espessura entre os 12 e os 20 micrómetros. O forno caseiro atinge aproximadamente 250ºC e o ponto de fusão deste elemento químico é de 660ºC, pelo que é seguro cozinhar com este “papel”, sem correr o risco que derreta. Reparou certamente que também não se queima ao manuseá-lo, mesmo após ter estado no forno. Isto acontece porque o alumínio tem uma capacidade calorífica muito baixa, à semelhança de outros metais, pelo que arrefece muito rapidamente. Além desta presença habitual no dia a dia, o alumínio tem muitas outras aplicações devido às suas propriedades físicas, que se caracterizam essencialmente pela elevada condutividade elétrica, pela leveza e pela ductilidade (flexibilidade). É usado na fabricação de ligas metálicas, associado a outros metais, como o cobre, por exemplo. Estas ligas são posteriormente utilizadas na construção civil e na aeronáutica, sendo parte estruturante no fabrico de aviões, automóveis, entre outros objetos, de comprovada relevância na qualidade da vida quotidiana.