Construção de tabique no concelho de Bragança

A construção tradicional de paredes de tabique foi amplamente utilizada no nosso país até meados do século XX, com uma grande incidência no centro e no norte do país, e faz parte integrante dos sistemas construtivos do património português.


De uma forma simplificada, uma parede de tabique é constituída por uma estrutura principal de madeira formada por tábuas verticais, ligadas entre si por tábuas horizontais de menor dimensão, designadas por fasquio. A ligação entre o fasquio e as tábuas verticais é feita por meio de pregos. O espaço existente entre as tábuas verticais e o fasquio é preenchido por uma argamassa terrosa. O acabamento final geralmente usado é à base de cal.


Esta solução construtiva, que usa essencialmente materiais naturais e locais, também está presente no edificado do concelho de Bragança. A população em geral deve estar sensibilizada para a valorização e para a necessidade de conservar e de reabilitar este tipo de edifícios, dando um grande contributo para a valorização do património construído.


A maioria das construções de tabique apresenta um elevado estado de degradação devido, essencialmente, ao ataque de térmicas e de caruncho, e ao efeito nefasto da água. A aplicação de paredes de tabique em contacto direto com o solo, em compartimentos não ventilados e com elevado teor de humidade, corresponde a um cenário construtivo potenciador do aparecimento destas patologias. Por este motivo, a sua aplicação em paredes exteriores e interiores ao nível da cave e do r/chão é muito pontual. A sua aplicação é mais favorável em pisos superiores.


Em termos de comportamento térmico e acústico, as paredes de tabique apresentam um bom desempenho e estudos recentes demostram que a sua reabilitação, recorrendo à aplicação de um material de isolamento, permite melhorar consideravelmente o seu desempenho. A aplicação de um material de isolamento é simples e tem um custo relativamente baixo quando comparado com a melhoria significativa que as paredes de tabique passam a apresentar.

Fig. 1: Exemplo de construção de tabique

Débora Ferreira (Instituto Politécnico de Bragança) e Jorge Pinto (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) - 2013-06-27 15:40:40