Fibras óticas

O paradigma de desenvolvimento da nossa sociedade foi alterado pelo conceito de sociedade global e pela introdução das redes sociais. No entanto, estas alterações só ocorreram porque foram suportadas por uma rede de comunicações com capacidade de transmitir elevadas quantidades de informação utilizando, em particular, redes de fibras óticas. Atualmente, estas são responsáveis pelo transporte de aproximadamente 90% do tráfego de informação mundial que inclui dados de internet, vídeo, voz, etc..


Uma fibra ótica é um guia que permite canalizar um sinal ótico e propagá-lo a longa distância. A possibilidade de utilizar um sinal ótico permite a transmissão de uma quantidade de informação muito superior àquela conseguida utilizando outras técnicas de transmissão como, por exemplo, sinais elétricos. Outras vantagens associadas à utilização de fibras óticas incluem perdas reduzidas, baixo peso e volume ou o seu fabrico a partir de um material de baixo custo. As fibras óticas são produzidas a partir de sílica purificada e têm um diâmetro típico de aproximadamente 0,1 mm, próximo do diâmetro de um cabelo humano.


E como surgiram as fibras óticas? A demonstração do conceito subjacente às fibras óticas data do século XIX, no entanto, só em 1966, Charles Kao, galardoado em 2009 com o prémio Nobel da Física, propôs a utilização de fibras para o transporte de informação, demonstrando que teoricamente era possível enviar sinais óticos a grandes distâncias. A evolução desta tecnologia até hoje tem confirmado largamente as expetativas criadas, existindo muitos milhares de quilómetros de cabo espalhados por todo o mundo, incluindo cabos submarinos transoceânicos através de distâncias superiores a 10 mil km. A título de curiosidade, um mapa interativo da rede submarina de cabos poderá ser consultada no link http://www.submarinecablemap.com/. Em termos de capacidade, se na década de 80 do século passado se transportavam centenas de megabits por segundo, no século XXI, esse valor aumentou já para valores da ordem de terabits por segundo.


Atualmente, os investigadores pretendem obter sistemas de comunicação utilizando fibras óticas com capacidade de enviar maior quantidade de informação no mesmo período de tempo, entre distâncias cada vez maiores e a um custo mais reduzido.

Imagem de uma fibra ótica obtida por microscopia eletrónica de varrimento

Paulo André, Olga Ferreira (Instituto Superior Técnico, Instituto Politécnico de Bragança) - 2013-10-31 14:45:43