Atualmente, as medusas e o coração estão mais próximos do que se imagina. Foram realizadas diversas experiências em laboratório, na Universidade de Harvard, onde foram produzidas medusas artificiais, denominadas de medusoides.

As medusoides podem ser produzidas através de uma fina camada de polímero (silicone), que serve de base para a colocação de nutrientes essenciais ao crescimento celular. São, seguidamente, colocadas células musculares cardíacas de ratos, que crescem normalmente de acordo com um padrão de proteínas previamente impresso na base.

A proximidade entre as medusas artificiais e o coração humano foi estabelecida pelo facto destas células ao serem estimuladas por choques elétricos promoverem a contração celular (como a verificada ao nível cardíaco).

Com este estudo será possível desenvolver novas curas de doenças coronárias, uma vez que permite uma pesquisa mais aprofundada do funcionamento destas células e do modo como elas são estimuladas.